GESTÃO FINANCEIRA PARA EMPRESAS, ENTENDA | | Velseg

Nas ultimas décadas temos vivido grandes mudanças no cenário mundial, onde tudo esta ao alcance de todos a qualquer momento. A rede mundial de computadores (Internet) tem feito à aproximação das pessoas, o acesso às informações, ao comércio, cultura, etc. Por mais simples que seja o negócio, não podemos dizer que o mesmo não possua concorrentes, pois quer queira, quer não, eles existem em qualquer lugar do mundo, direto ou indiretamente. Com isso, os micro e pequenos empreendedores precisam se readaptar a essa nova realidade chamada Globalização, mudando assim a forma de ver seus negócios, passando a investir em uma gestão que seja no mínimo eficaz.

Um bom projeto de implantação, com informações provenientes de uma boa análise mercadológica, trás um retorno rápido, tornando o investimento atraente.

O Planejamento Financeiro consiste em estabelecer com antecedência as ações a serem executadas dentro de cenários e condições preestabelecidas pelo mercado, projetando os recursos a serem alocados e atribuindo responsabilidades em atingir objetivos definidos.

O Planejamento para análise de um negócio, deve seguir alguns critérios básicos para considerar a viabilidade do mesmo, por exemplo:

  • Com quem poderá contar (fornecedores, clientes, parceiros, funcionários, etc.)?
  • O que será produzido, comercializado ou serviço oferecido?
  • Qual será o investimento inicial e em quanto tempo o negócio se paga?
  • Haverá política de investimentos por período?
  • Como será a venda do produto ou serviço?
  • Como será o atendimento e os serviços prestados?
  • Como chegar aos potenciais clientes e qual o custo?
  • Haverá uma separação de setores, como; hierarquias, salários, benefícios, planos de carreira na empresa?
  • Existe política de Marketing e Propaganda? Qual o custo?
  • Qual o publico alvo?
  • Quem são os concorrentes (direto e indireto)?
  • Existe sazonalidade desse produto ou serviço?
  • Quais os custos e preço a praticar? É competitivo?
  • Qual o prazo de pagamento de fornecedores e recebimento de clientes?
  • Qual a melhor tributação a ser enquadrada?

No que diz respeito a Planejamento Financeiro e chegar a uma gestão de qualidade em um negócio já existente, a empresa precisa contar com um procedimento sistêmico e fazer uso de alguns mecanismos, como por exemplo: um banco de dados atualizado, por mais simples que seja, o mesmo a possibilita obter informações sobre as condições ambientais externas, onde poderão ser identificados os períodos sazonais (variação de vendas mensais no decorrer do ano), concorrentes, preços praticados anteriormente. Com tais informações será possível acionar medidas com maior rapidez e eficácia na correção de possíveis distúrbios no negócio. Essas informações darão possibilidades de projeção no fluxo de caixa, podendo avaliar as despesas fixas e o percentual dos custos variáveis, que incidem sobre as vendas. As receitas de uma empresa são geradas pelas vendas de seus produtos e serviços.

Conhecer às necessidades de caixa não é tão simples, pois é preciso fazer investimentos corretos dos recursos existentes e saber captar recursos de terceiros junto a instituições financeiras, com custo e prazo que atenda a necessidade da empresa. Já os recursos provenientes dos lucros “sobras”, financiamentos voltados para capital de giro e dividendos, poderão ser utilizados para antecipar pagamentos a fornecedores e obter descontos. Somente com informações confiáveis poderá tomar decisões seguras.

Com um bom planejamento de fluxo de caixa, é possível estimar, prever e aplicar os recursos da empresa de maneira lucrativa, podendo crescer de forma sustentável, esse é um bom exemplo de otimização.

Os pagamentos devem ser organizados antecipadamente, com provisões, negociações de recursos mais baratos em bancos de fomento, evitando cheque especial, ou até mesmo o seu fluxo de caixa do dia, é preciso ficar atento ao deixar o levantamento de contas a pagar para o dia do vencimento, a empresa corre o risco de não obter recursos para honrar com seus compromissos e isso pode levar à perda de credibilidade junto a fornecedores e instituições financeiras.

Os sócios precisam ser conscientes, no que diz respeito aos recursos que entram na empresa, os mesmos não podem fazer retiradas para cobrir seus gastos particulares. Os salários devem ser definidos em comum acordo entre os mesmos e com períodos estabelecidos para retiradas. Já para realizar a distribuição de lucros, deve ser levado em conta se a empresa pode conceder o mesmo, pois aja visto que esse recurso seja reinvestido na ampliação do negócio, gerando maior rentabilidade no futuro.

Empresários precisam aprender que ao comprar bem seus insumos, poderão vender bem, pois o custo define sua competitividade e sua lucratividade junto ao mercado.

É preciso constituir equipes de colaboradores que tenham coesão, voltada para resultados e maximização de lucros. Levar em consideração o ambiente de trabalho, grau de satisfação e se a remuneração e benefícios atendem as necessidades básicas, pois equipes motivadas produzem mais.

Para uma boa formação de preço de venda, deve-se, levar em conta os custos fixos, como; água, energia, telefone, alugueis, salários do administrativo e material de limpeza e também os variáveis, como; mão-de-obra, matéria-prima, embalagens, comissão de vendedores, impostos sobre produtos ou serviços, etc. Desde a matéria-prima às despesas de comercialização, com isso chegar a um lucro líquido esperado, estamos falando de tudo que influencie nas receitas e despesas da empresa. O custo fixo não depende do volume de vendas, eles existem com ou sem vendas, já os custos variáveis, variam com o volume de vendas.

Ao vender á prazo, é preciso ter um banco de informações para análise de seu cliente, antes de se conceder crédito, pois o risco eleva a inadimplência/perdas das empresas.

Deve-se ficar atento ao estoque, pois estoque muito alto poderá trazer prejuízos, seja por custo de logística, seja por falta de giro do mesmo, já estoque muito baixo poderá ocasionar perdas de vendas, ou mesmo tendo que recorrer a compras de ultima hora, pagando um preço elevado.

Quando se trata de documentos, é importante manter muito bem organizado, para não correr riscos como; deixar de pagar na data de vencimento, pois em caso de protestos eleva o valor nominal do documento e esse juro fica inviável para qualquer empresa. Os documentos devem seguir uma ordem de vencimento, manter um arquivo pós-pagamento que possa ser visualizado em ordem cronológica.

Fluxograma dos Documentos Financeiros

A Administração financeira e suas ferramentas se tornaram de suma importância como instrumentos de gestão de negócios. O conhecimento aplicado ao controle de custos e gerenciamento financeiro adequado, poderá preservar e fortalecer a saúde e lucratividade das empresas.

Os micros e pequenos empresários precisam ter um mínimo de conhecimento de gerenciamento financeiro, pois o mesmo não faz parte só do cotidiano de grandes empresas.

 

Cloves T. Nascimento
Consultor de Investimentos-Finanças
Administrador de Empresas
BDMG/BNDES
(34) 99635 – 6544
(34) 2589 – 2525
@cloves.ctnconsultoria
@CTNconsultoria.com.br

 

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *